Dia Nacional da Doação de Órgãos
Transplante é destaque em clínica da Fresenius

Dia 27 de setembro é uma data que enfatiza a importância deste ato que pode salvar vidas. Segundo o Ministério da Saúde, quase 30 mil pessoas aguardam na fila por um transplante renal e, em 2018, pouco menos de seis mil pacientes foram transplantados no país.

Mas a Clínica de Doenças Renais (CDR) Niterói encontrou novas saídas para agilizar o acesso ao transplante renal, um tratamento que oferece mais liberdade aos pacientes com doença renal crônica.   Somente neste ano, a unidade realizou 17 transplantes. Para o Diretor Médico, Ronaldo Allão, a presença de um ambulatório de transplante dentro da clínica de diálise facilita a rotina de consultas e exames e a promove a confiança na terapia. O resultado positivo também se deve a uma equipe médica diferenciada: “O sucesso se deve ao profissionalismo e empenho de uma equipe motivada, que tem foco permanente no melhor tratamento para cada paciente”.

Segundo Dra. Tereza Wagner, Nefrologista da unidade, os pacientes ficam muito satisfeitos com o novo estilo de vida. “O transplante é um tratamento que proporciona mais liberdade e, portanto, uma melhor qualidade de vida. Além disso pode aumentar a sobrevida do paciente”.

Caio Alves realizou transplante renal, tendo sua mãe como doadora. O jovem, de 26 anos, é paciente da CDR Niterói e, antes do procedimento dialisava diariamente por duas horas e meia. “Atualmente, pós-transplante, me sinto bem melhor. A minha qualidade de vida melhorou muito, mas sei que tenho que seguir todas as recomendações médicas para que tudo continue bem”.

A CDR Niterói se dedica ao aperfeiçoamento desta prática constantemente.  Nos últimos meses, o corpo clínico concluiu um curso de capacitação do Programa Estadual de Transplantes do Rio de Janeiro – PET, reforçando o atendimento de excelência ao paciente.