Você está visualizando atualmente Editora Ibis Libris lança “O Livro dos Filmes Proibidos e Censurados na História do Cinema”
A obra destaca como o processo de repressão foi gerado e como ele se desenvolveu nas mais variadas vertentes e sociedades (Imagem: Divulgação)

Editora Ibis Libris lança “O Livro dos Filmes Proibidos e Censurados na História do Cinema”

O Livro dos Filmes Proibidos e Censurados na História do Cinema, de autoria do jornalista Pedro Martins Freire, não tem como objetivo apenas destacar os filmes proibidos, mas como esse processo de repressão foi gerado e se desenvolveu nas mais variadas vertentes e sociedades.  

Para expressar e ampliar a consciência quanto à história dos filmes atingidos e perseguidos durante quase 130 anos de existência do Cinema, por repressões e intolerâncias conforme as suas épocas e continentes, torna-se essencial o conhecimento da perseverança da busca pela imagem em movimento. A obra registra como esse processo, iniciado na Pré-História, foi incansavelmente buscado com determinação por cientistas, técnicos e pesquisadores de nacionalidades diversas ao longo dos tempos até ser, finalmente, “inventado” na França ao final do século XIX e referenciado como arte no início do século XX. Apesar da referência, nem assim escapou da censura, a qual lhe negou a liberdade de expressão.

Censura das vitórias dos boxeadores negros sobre os brancos

Este primeiro volume condensa a década de 1890 a 1899 – o autor possui mais três volumes em edição que darão continuidade cronológica aos demais períodos históricos – 1900-1909 (vol 2), 1910-1919 (vol 3) e 1920-1929 (vol 4) – da coletânea Do Silêncio ao Som. Além da busca pela imagem em movimento, resgata a origem da censura na Grécia com a morte de Sócrates e, a partir dos filmes pioneiros, como as pernas e tornozelos de bailarinas e trapezistas; a dança-do-ventre de dançarinas; e o strip-tease e a nudez de atrizes; as vitórias nos ringues dos boxeadores negros; as adaptações de personagens da religião e até fatos históricos, foram criando, através da indignação, do preconceito e da defesa da moralidade e dos bons costumes, os instrumentos de censura aos filmes.

“A censura nunca me fascinou, mas sempre me intrigou por sua forma de gestação maléfica, com suas ideias de moralidade baseadas em conceitos sociais imutáveis, aquelas que clamam pela permanência do status quo e pelo direito de se autoproclamar tão poderosa, a ponto de intervir no processo de criação das artes e na evolução humana pela ciência. E pior, tendo ao seu lado algumas religiões, clubes e entidades, ideologias e políticas, o controle das leis e dos direitos, os quais julgam, intrínseco e pessoal, em limitar o que a sociedade deve ver, ler e pensar”, afirma o autor. 

Incontáveis filmes foram censurados com banimentos, cortes e mutilações, inicialmente nos EUA, por Conselhos de Censores criados por entidades conservadoras e religiosas, civis e policiais, além de órgãos governamentais, os quais, em seguida, se alastraram em escala mundial. E,sim, como esse processo, inicialmente sem tribunal, ocorreu – e se perpetua até hoje –, também no interior dos próprios estúdios, embora em escala bem menor.

Diferentemente dos demais livros que apenas tratam dos filmes vetados, o Livro dos Filmes Proibidos e Censurados na História do Cinema, como expressa o seu título, registra o processo de criação do cinema e como a censura foi igualmente gerada e se encrustando ao longo de sua história em dez países de diferentes continentes, incluindo, obviamente, o Brasil. É uma história, para o conhecimento, fascinante e evocativa. O volume I é apenas o início da jornada. 

Sobre o Autor

Pedro Martins Freire nasceu em Fortaleza, em 1951. Iniciou os estudos da Sétima Arte no CCF (Clube de Cinema de Fortaleza) a partir de 1966 e na Cinemateca do MAM (Museu de Arte Moderna) do Rio de Janeiro (1972). Foi crítico de cinema nos jornais Correio do Ceará, Unitário, O Povo e Diário do Nordeste (neste, de 1981 a 2014). Graduou-se em Filosofia pela UECE (Universidade Estadual do Ceará); e foi o primeiro curador do Cineclube do Centro Cultural BNB (1995-2011). Em 1981 promoveu a retomada do CA (Cinema de Arte) – projeto do CCF (1963-1977) -, em parceria com o publicitário Tarcísio Tavares (1934-2011) no Cine Gazeta no Shopping Center Um (1981-1992). De 1993 a 2014, o CA foi abrigado no complexo UCI-Ribeiro, no Shopping Iguatemi de Fortaleza e mais cinco cidades do Nordeste, pelo Grupo Severiano Ribeiro, o qual lhe entregou, em 1995, a curadoria do Studio Beira-Mar (1995-1998), a primeira sala do Estado do Ceará dedicada aos filmes de arte e que ficou aberta até 1998. Entre 2015 e 2020, o Cinema de Arte passou para o complexo do Grupo Cinépolis, no Shopping Riomar Fortaleza, além de 11 cidades do circuito nacional, em exibição até 2020, quando foi barrado pela pandemia.

Ficha Técnica 

Editora: Ibis Libris 

Preço: R$80,00

Autor: Pedro Martins Freire 

ISBN: 97885-7823-375-4

Idioma: Português 

Edição: 1ª

Encadernação: Brochura / Lombada quadrada

Número de Páginas: 188

Formato: 15,5x23cm